Ao ritmo do futuro

TRUCKSTOP

A geração de camiões atual define os processos na fábrica da MAN em Munique e também a nível mundial

Centenas de cabinas saem diariamente da linha de produção da construção de carroçarias da fábrica da MAN em Munique. Com a introdução da série da nova geração de camiões, foi mais uma vez repensando o processo de fabricação na rede de fábricas da MAN a nível mundial.

“Altamente automatizados” é o conceito que melhor descreve os processos de produção na MAN. Só na fábrica de Munique são montadas diariamente com a ajuda de robôs de soldadura 480 cabinas compostas por peças de carroçaria galvanizadas. Tanto das novas séries como das anteriores. A preparação para os novos veículos provocou algumas alterações na fábrica principal em Munique: Um novo pavilhão para a construção de carroçarias, um grande arsenal de robôs – em vez de 47, agora há 190 máquinas automáticas em funcionamento 24 horas por dia. A produção é alimentada por uma central térmica moderna. A segunda estação, para onde vão as cabinas após a construção de carroçarias, encontra-se também agora numa oficina de pintura de vários andares recentemente construída, a mais ecológica da Europa. Aqui, as cabinas de camiões com novo design recebem a sua cor de lançamento no mercado, topázio dourado.

Da mão para a linha

Uma tarefa exigente para os pintores. Já pintaram os protótipos da nova geração de camiões da MAN e entretanto os novos camiões são integrados na produção em série. “Ao início o nosso trabalho era muito manual. Pouco a pouco aprendemos mais sobre o assunto e implementámos cada vez mais passos de trabalho na linha”, afirma Tim Hartgenbusch, diretor da oficina de pintura.
Assim que a tinta seca, os operadores recebem as carroçarias no pavilhão de montagem. Para que os trabalhadores se possam familiarizar rapidamente com a produção dos novos camiões, a MAN iniciou um programa de formação em grande escala: Na chamada MAN Academy nas instalações da empresa são treinadas as novas rotinas de trabalho. Como material de formação foram utilizadas as cabinas ainda camufladas, que foram desmontadas inúmeras vezes, sendo que cada um dos 1800 operadores podia desmontar e voltar a montar a sua parte cinco a seis vezes. Uma aprendizagem de lançamentos de produtos anteriores, revela Thomas Lerch, diretor da MAN Production Academy. “Na linha é mais difícil memorizar passos de trabalho, se não se tiver feito várias tentativas de forma aprofundada. Aí não há tempo.” A medida contribui sobretudo para prevenir danos, por exemplo, quando agora são integrados os aparelhos de comando sensíveis nas cablagens ao mesmo tempo.
A transição não é fácil, mas a expectativa em relação ao novo modelo deu motivação, afirma Lerch: “Os colaboradores podiam ver o veículo completo logo muito cedo e também tinham logo a oportunidade de experimentar.”

Antes de o motorista poder finalmente entrar, as novas cabinas ainda têm de ser ligadas aos chassis no chamado “casamento”. 
Para montar a variação e o equipamento da nova série perfeitamente a tempo, a linha de produção foi consideravelmente aumentada. A montagem de cabinas foi totalmente reorganizada, foram adicionadas mais doze estações, o ciclo foi retificado. Cada estação tem um tempo de 2:30 a 4:45 minutos para deixar passar diariamente pela bancada de teste 200 camiões prontos. Novos veículos. Novo ciclo. O futuro está em curso na MAN.

Podes ler mais sobre a produção de camiões MAN aqui. 

Futuro made by MAN.

Aqui encontrarás todas as informações sobre os veículos da nova geração de camiões MAN.